Domingo, 27 de enero de 2008
Acordes e rosas em meu peito



ROSAS EM MEU PEITO

Tenho rosas em meu peito,
as que perfumam
e as que ferem.
Rosas vivas,
opostas ao frio inerte que (pre)ssinto,
ao limbo de primavera,
a essa aus?ncia de suor.

Tenho p?talas nas m?os,
secas e desbotadas p?talas,
num ramalhete macabro,
presente de um final sem fim.

Restam-me espinhos nos l?bios,
sorrisos murchos ou esquecidos das cores,
lembran?as fechadas nas p?ginas de um livro an?nimo,
aguardando, na prateleira, o folhear dos anos.

Encanto-me com a roseira,
recordo fragr?ncias,
revivo bilhetes e guirlandas,
com a certeza de nunca,
de verdade,
findar a esta??o.

*****

LUAS, PEDRAS E OCEANOS


Eu ciclo, como as fases dessa lua,
E sangro, como o peito do poeta.
No sonho que sonhei, pra sempre tua,
Fui noite, fui estrela, fui a pedra.

Nos mares dos teus olhos de oceano,
Profundos, anci?os, aterradores,
Meus olhos fugidios, sem engano,
encalham na paix?o dos teus humores.

Meu peito abarca os golpes dos punhais
E canta as tuas rochas e os teus troncos,
Emaranhados versos, qual serpentes.

Meu colo ? desenhado por teus ais,
Arqueja por teu toque, aos solavancos,
E ainda guarda as marcas dos teus dentes.


*******

ACORDES

H? um homem da mata,
? espreita, como a nota mais perfeita,
como o som de manh?s de sol,
riacho pleno em sussurro ?s cachoeiras.

Anda por entre galhos,
folhas secas e sorrisos,
fita com o olhar das ?rvores,
certeza de mil anos,
gestos frondosos,
e medo de crian?a.

Esse homem brinca de desafinar os p?ssaros,
sopra nuvens e venta brisas,
e canta com as vozes do entardecer.

H? um homem na mata,
que n?o se deixa aprisionar,
que se move com as gazelas,
que se entende com as ra?zes.
Sabe das tristezas dos homens,
da agudeza das palavras ocultas,
e solfeja a diferen?a.

H? esse homem guardado dos tempos,
que surge entre raios e verde,
feito pintura.
Vem de lugar algum,
de n?o se sabe a raz?o.

Ele chega de passagem,
mas deixa impregnado um cheiro de eternidade.






ENVIADO POR www.veropoema.net

Tags: LILIAN MAIAL

Publicado por gala2 @ 3:55  | POEMAS
Comentarios (0)  | Enviar
Comentarios